Domingo, 17 de Maio de 2009
O liberal triste e a tristeza liberal

Acabo de ler o livro do Henrique Raposo, A caipirinha de Aron - crónicas de um liberal triste (Bertrand Editora, 2009). Já tinha escrito que considero o Henrique  um dos mais talentosos ensaístas políticos da sua geração. Isso não quer dizer que concorde com tudo o que ele diz. Por exemplo, não o sigo, a não ser a título meramente académico ou semântico, quando define o actual regime como uma democracia liberal. Nem sequer tenho a certeza que isto seja uma democracia, quanto mais liberal. Todavia, percebo-o quando se insurge contra a complacência com que a nossa sociedade aceita a falta da liberdade e a sacrifica com mais ligeireza do que a quaisquer outros valores. E também percebo que a sua geração - a que já nasceu com este regime ligeiro e com propensão para badalhoco como ele bem aponta na primeira e na segunda partes do livro - sinta isso mais do que qualquer outra e que, para além da independência intelectual, precise, como pão para a boca, da independência material. Quase fiquei comovido com a sua preocupação com as rendas de casa. O Henrique é um filho não pródigo da propriedade horizontal, o sonho de qualquer pequeno burguês dos anos setenta que, muito legitimamente, não entende por que é que não se há-de andar de casa em casa, a preços módicos mensais, com vista para o Tejo. Tal como, em matéria internacional, se considera um pós-europeu, isto é, alguém que recusa a centralidade da Europa na chamada "cena política internacional". A última parte do livro é consagrada àquilo que apelida de "declínio político da Europa" e a "decadência intelectual dos europeus". Não cometo a injustiça de pensar que, algures, o Henrique se inspirou naquela patusca teoria da "velha Europa" defendida na corte desse extraordinário intelectual norte-americano que é George W. Bush. Uma vez mais, a geração. Não me esqueço do "testamento" de Mitterrand - Da Alemanha, da França -, na prática, um testamento traído pelos homens vulgares que tomaram conta da Europa no final dos anos 90 e que nunca mais a largaram. Por mais voltas que se dê - e nós podemos estar bem quietinhos dada a nossa irremediável periferia, apesar do famigerado Tratado de Lisboa - a Europa "é" a França e a Alemanha e o que elas quiserem que a Europa seja. Ou então não é. E não é seguramente a Ucrânia, a Turquia ou a Albânia. Finalmente, como o Henrique, também sou "americanista". Como ele, tenho muitas vezes "vontade de pegar no barco de borracha e remar até Nova Iorque." E, provavelmente ao invés dele, vontade de não voltar. Jefferson, porém, nem sempre esteve errado. «Ten days before Jefferson died, he wrote some notes for the approaching fiftieth anniversary of his Declaration of Independence. "May it be to the world what I believe it will be... the signal of arousing men to burst the chains under which monkish ignorance and superstition had persuaded them to bind themselves, and to assume the blessings and security of self-government... The general spread of the light of science has already laid open to every view the palpable truth that the mass of mankind has not been born with saddles on their backs, nor a favored few booted and spurred, ready to ride them legitimately, by the grace of God (...) On July 4, 1826, Jefferson died. For posterity he wanted to be known as the author "of the Declaration of American Independence, the statute of Virginia for religious freedom, and father of the University of Virginia." A few hours later, the dying John Adams said, "Thomas Jefferson still lives." But Jefferson had already departed. John Adams had his epitaph ready; it was to the point: "Here lies John Adams, who took upon himself the responsability of the peace with France in the year 1800."» Gore Vidal escreveu isto no seu Inventing a Nation, de 2003. Na realidade, o que nós todos queremos dizer é que temos várias pátrias. Os EUA são apenas uma delas. Tal como a Europa - também a francesa, de Aron, ou a alemã que nos ajudam quotidianamente, na feliz formulação de Nietzsche, a incomodar a estupidez  - o é.


publicado por João Gonçalves às 16:26
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

5 comentários:
De DD a 17 de Maio de 2009 às 21:50
Ninguém pense que acabando a União Europeia não ficaria uma sólida aliança entre a França e a Alemanha com o acréscimo da Itália, Espanha e outros países como a Rússia e a Ucrânia, por exemplo..
A diplomacia alemã conhece bem a história e orienta-se no sentido de nunca mais fazer uma política isolada. Os alemães sabem que os "Aliados" ganharam todas as guerras desde Napoleão e, por isso, a Alemanha vai manter sempre alianças muito fortes com a França e até com a Rússia. A Alemanha não pretende recuperar territórios perdidos porque tem dinheiro para comprar tudo o que há nos Sudetas e na Silésia polaca, etc. Veja-se o caso da Skoda adquirida pela VW e centenas de empresas das Repúblicas vizinhas. Até Portugal comprou e alargou uma das maiores cadeias de supermercados da Polónia.
A União Europeia é uma aliança de nações que subsistirá com o nome actual ou com outro. As duas guerras mundiais foram muito duras e os europeus nunca mais se vão bater pela Alsácia Lorena ou por qualquer naco de terra e a Alemanha não tem qualquer interesse em liderar politicamente seja o que for no Mundo. Basta-lhe ser o maior exportador mundial e ter mais de metade da indústria de toda a Europa.
A Alemanha continuou a industrializar-se enquanto a liberal Senhora Tatcher desindustrializou o Reino Unido, o mesmo fazendo, em menor grau, outras nações europeias.


De Zé do Pulo do Lobo a 18 de Maio de 2009 às 01:42
A MFL parece ter tido a mesmas dúvidas... O melhor mesmo é não votar nestas laranjinhas podres, não vão pensar interromper a democracia por mais 40 anos. E eu que ainda fui tolo de votar no Cavaco para Presidente. Porra! Enganaram-me duas vezes, à terceira caí quem quer.


De Luis Rainha a 18 de Maio de 2009 às 15:06
Mas ensaísmo é aquelas prositas de 10 linhas? Onde anda afinal a obra do Raposo?


De joshua a 20 de Maio de 2009 às 17:15
É natural que a Ucrânia e a Geórgia aspirem à Europa Alemá e Francesa tal como o João Gonçalves, eu e muitos mais, nos revemos e aspiramos aos Estados Unidos, segundo a verdade hoje pouco palpável de Thomas Jefferson, «... the palpable truth that the mass of mankind has not been born with saddles on their backs, nor a favored few booted and spurred, ready to ride them legitimately, by the grace of God.»

Os 'favoured few' estão aí inteirinhos e não são a realeza. A nova realiza e o novo sangue azul são esses Empórios Globais sem ética, deslocalizáveis como enxames oportunísticos de gafanhotos na sua sede de lucros concentrados e exclusivistas. Eles encarregam-se de nos mostrar todos os dias em que conta têm as convicções de Jefferson e as ilusões de bem-estar da Europa e dos Estados Unidos. E provam-nos a pouco e pouco o que nos sucederá a nós e às nossas veleidades europeias sem Turquias e sem os outros periféricos. Não me parece que a regressão social que por aí se opera na UE e que no limite nos homologará com os procedimentos exploracionistas do trabalho verificados na China não vire tudo isto que conhecemos do avesso. Massas comprimidas arranjam forma de se descomprimir.

Séculos de sangue por conquistas sociais rasurados, estaca zero do indivíduo sem rede na sociedade, representará muito mau Karma para os tempos futuros.


De PALAVROSSAVRVS REX a 20 de Maio de 2009 às 17:16
É natural que a Ucrânia e a Geórgia aspirem à Europa Alemá e Francesa tal como o João Gonçalves, eu e muitos mais, nos revemos e aspiramos aos Estados Unidos, segundo a verdade hoje pouco palpável de Thomas Jefferson, «... the palpable truth that the mass of mankind has not been born with saddles on their backs, nor a favored few booted and spurred, ready to ride them legitimately, by the grace of God.»

Os 'favoured few' estão aí inteirinhos e não são a realeza. A nova realiza e o novo sangue azul são esses Empórios Globais sem ética, deslocalizáveis como enxames oportunísticos de gafanhotos na sua sede de lucros concentrados e exclusivistas. Eles encarregam-se de nos mostrar todos os dias em que conta têm as convicções de Jefferson e as ilusões de bem-estar da Europa e dos Estados Unidos. E provam-nos a pouco e pouco o que nos sucederá a nós e às nossas veleidades europeias sem Turquias e sem os outros periféricos. Não me parece que a regressão social que por aí se opera na UE e que no limite nos homologará com os procedimentos exploracionistas do trabalho verificados na China não vire tudo isto que conhecemos do avesso. Massas comprimidas arranjam forma de se descomprimir.

Séculos de sangue por conquistas sociais rasurados, estaca zero do indivíduo sem rede na sociedade, representará muito mau Karma para os tempos futuros.


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Janeiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
26
27
28
29
30

31


posts recentes

...

Nas legislativas será de ...

O poder do agora

Missão Cumprida III

Missão Cumprida II

Missão Cumprida

Um retrato

Para todos

Ainda há muito trabalho a...

Socialistas grandes derro...

arquivos

Janeiro 2010

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds