Terça-feira, 19 de Maio de 2009
O vendedor de ilusões

Antológico o artigo de Vital Moreira no "Público" de hoje: um magnífico exemplo de propaganda socialista, onde se apresentam puras ficções como factos consumados, se utilizam conceitos arbitrários para desvalorizar os adversários e se procura convencer o eleitorado de conquistas que a realidade insiste em negar.

Vejam-se três casos concretos. Na enumeração dos êxitos deste Governo, Vital Moreira fala da "reabilitação da escola pública", uma referência que só podemos entender como um verdadeiro momento de humor. Qual reabilitação? Uma escola onde os valores da aprendizagem e do esforço são desconsiderados, onde os professores são vilipendiados e desautorizados? Uma escola onde os resultados são falseados e artificialmente inflaccionados? Ou uma escola que trata os seus docentes como débeis mentais?

Vital Moreira elogia ainda a forma como o PS terá promovido os direitos dos homossexuais, esquecendo-se de que foi o grupo parlamentar socialista o principal opositor à discussão desses mesmos direitos - isto enquanto Sócrates promovia uma agenda contrária no CCB. Noutros tempos, tal episódio seria descrito como uma "trapalhada", mas hoje passa como exemplo de pluralidade.

Por fim, Vital Moreira, num delírio linguístico que o aproxima aliás de Ilda Figueiredo e do BE, regressa à ladaínha do discurso contra o "neoliberalismo", que a seu ver é a matriz do PSD. Não apenas continuo a tentar descobrir o que é essa coisa do "neoliberalismo", que todos odeiam mas ninguém descreve convenientemente, como o programa político do PSD não tem quaisquer referências a essa alegada corrente.  

 

Numa coisa Vital Moreira tem razão: "Portugal precisa de alternativas políticas claras e consistentes e responsabilidade política". Necessidades que por sua vez não dispensam um discurso verdadeiro e sincero sobre as condições reais em que nos encontramos - algo a que Sócrates e os seus lacaios são definitivamente pouco dados.


publicado por José Gomes André às 17:25
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

2 comentários:
De Blogue Aventar a 19 de Maio de 2009 às 18:48
Sobre as eleições Europeias, o Blogue Aventar publicou os seguintes textos:

http://aventar.eu/2009/05/06/come-a-papa-rangel-come-a-papa/
http://aventar.eu/2009/04/14/porque-rangel/
http://aventar.eu/2009/05/14/nao-vao-em-cantigas-rapazes-e-raparigas/
http://aventar.eu/2009/05/13/vital-moreira-o-melhor-que-nos-podia-acontecer/
http://aventar.eu/2009/05/02/se-eu-quiser-ser-agredido-o-que-devo-fazer/
http://aventar.eu/2009/05/02/vital-moreira-a-caca-ao-voto/
http://aventar.eu/2009/05/01/um-ps-desesperado/
http://aventar.eu/2009/04/17/opiniao-vital-e-desapaixonada/

Estejam à vontade para reproduzir o que entenderem.
Cumprimentos.


De Carlos Santos a 20 de Maio de 2009 às 22:58
Tudo isto não deixa de me inspirar uma nostálgica tristeza, pelo estado de coisas a que se chega. A questão da escola pública será discutível, e eu, contrariamente aos ditadores do pensamento único com o JGA acamaradou neste espaço, admito que nem tudo está bem. Aliás, denunciei por meia blogosfera um episódio lamentável que ocorreu em Porto de Mós. Até a Educação do meu Umbigo, o blog mais lido da área reproduziu a história. Não o vou por isso discutir. Não demonizo a ministra nem a considero a epifania.
Agora, no que toca direitos de homossexuais, isso já roça a desonestidade intelectual. Os únicos partidos com posições assumidas são o PP e o BE. O PCP anda lá perto. Agora o PS pode ter jogado no eleitoralismo, mas pergunto eu: desde quando é um problema para o PSD, que nunca foi um partido liberal social, antes pelo contrário, que não se discutam os casamentos gay? E desde quando é o PSD favorável à mudança nessa matéria do nosso quadro legislativo? Fazer um foguetório porque o PS calendarizou um tema que outros tinham proposto antes´é uma forma de esconder que não interessa minimamente ao PSD que isto vá a votos no parlamento. E penso que o JGA sabe tão bem como eu que o PSD votava contra. Porque não assumi-lo, como ao menos o fazem Portas e Louçã? Vital diz que o PS fez alguma coisa pelo tema? Se entrar num programa eleitoral para Setembro, e se o PS tiver que fazer alguma ginástica com o número de deputados, vai por mim: a lei muda.
E disse isto tudo, sem dizer a minha opinião sobre a questão de fundo. Agora no programa do PSD não deverão constar (suponho) propostas negativas ou não propostas. E por isso nem se falará disto. Quando chegar a hora, não há líder que leve o PSD a votar favoravelmente isto.

One me demarco claramente disto, e isso terei de responder em post próprio que apelo à tua curiosidade intelectual para leres, é na crítica ao conceito de neoliberalismo. Primeiro porque ainda há dias o defeni num post de discussão entre a filosofia moral de Adam Smith (que era um filósofo moral, apesar de muita gente se esquecer disso e por isso deturpar os seus escritos económicos) e a ética de Ayn Rand. Smith validava a conduta humana na compaixão ou empatia. Rand validava-a no egoismo e prossecução de interesses próprios sem a menor obrigação de consciência social e sem que o indivíduo possa ser coagido de qualquer forma na sua liberdade. O corolário de Rand é um capitalismo selvático como única forma de organização compatível com essa visão do mundo. O corolário de Smith é um mercado onde: o Estado tem funções na regulação; o Estado tem de fornecer bens que o mercado não fornece em condições acessíveis para todos. Por isso Smith é chamado de um liberal clássico, ou simplesmente liberal. Já Hayek e outros, essencialmente austríacos, repousando na ética randiana, são defensores de um sistema em que o estado tem funções absolutamente mínimas. Isto não é o liberalismo de Smith, e por isso se chama neoliberalismo.
Como digo, a desenvolver em post próprio. Mas suponho que acreditarás que não dava o meu nome a um post com este teor económico se não estivesse a falar a sério na distinção entre liberalismo clássico e neoliberalismo.

Quanto ao programa do PSD, isso é uma análise muito interessante que tenho feito sem publicar. Porque o partido não se assume em nenhuma das 3 famílias da direita europeia: liberais, populistas ou democratas cristãos. Embora congregue a generalidade dos liberais. Só que quando se diz que é um "partido de poder" está subjacente que o PSD nunca largará a sigla Social Democrata. Porque nenhum partido liberal na Europa, com o modelo social existente, ganha eleições. O PSD podia ganhar, por inércia de voto. Mas apresentem-se ao eleitorado como defensores da privatização da CGD e do SNS, e esperem pela volta. A cultura europeia não tem os genes do liberalismo económico. Mesmo o FDP alemão, o mais forte partido liberal na europa neste momento, não passa dos 17% nas intenções de voto. Porque a componente social da democracia cristã da CDU é mais cativante ao eleitorado.
Os cientistas políticos têm concordado com esta tese: o PSD é um objecto estranho por usar um nome que não corresponde ao seu programa. E faz isso por mera aritmética eleitoral.

A discutir em post.
Carlos


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Janeiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
26
27
28
29
30

31


posts recentes

...

Nas legislativas será de ...

O poder do agora

Missão Cumprida III

Missão Cumprida II

Missão Cumprida

Um retrato

Para todos

Ainda há muito trabalho a...

Socialistas grandes derro...

arquivos

Janeiro 2010

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds