Terça-feira, 9 de Junho de 2009
O poder do agora

Tenho a sensação de ser o último a fechar a porta, sem saber sequer onde fica o interruptor da luz. Mas, antes de sair, gostava de dar um beijo de parabéns à Laurinda. Fez uma excelente campanha. Foi ela mesma, olhando e falando com cada pessoa, dedicando-lhes toda a atenção. E isso contou.

Gostava também de dizer, a quem se absteve neste acto eleitoral, que deveria ter votado em branco, ou nulo. Quanto mais não seja porque a tão vilipendiada democracia custou a ganhar. E quem votou em branco, ou nulo, deveria ter votado num partido qualquer à sua escolha. Porque não vivemos tempos de protesto, mas de afirmação. 

Gostava ainda de desejar boa sorte a Vital Moreira. Não duvido que se tenha envolvido nesta aventura, que não era manifestamente a sua, prejudicando a vida pessoal e os seus ganhos profissionais. Fez o que pôde e chegou até onde lhe foi permitido.

Gostava finalmente que os críticos e ácidos comentadores, que olharam para este blogue como um objecto programático, percebessem, realmente percebessem, que para além das motivações pessoais de cada um a base deste episódico encontro foi genuína: Há uma geração cansada de não ter uma palavra a dizer, enquanto o País lhe passa ao lado dirigido por quem tudo teve nas mãos e tudo desperdiçou. Da esquerda à direita.

Há uma geração saturada de visões de curto prazo e desperdício de recursos, materiais e humanos, que não se reconhece na abstenção como não se reconhece na mentira permanente em que tem vivido.

Nem sempre a realidade como ela é hoje satisfaz. Mas não é a realidade que se engana. Somos todos nós. O presente tem que deixar de surgir-nos como uma pálida ideia do que fomos e uma parte ínfima apenas do que poderíamos ser.

É no agora que vivemos e baixar os braços é errado. Tal como erguê-los, simplesmente para gritar contra "aqueles que mandam e são todos iguais", é um inútil desperdício de energia.

Na minha estrita opinião, este blogue não serviu para mais do que aquilo que quem o leu dele colheu. Se foi pouco ou muito, ignoro. Mas basta-me que tenha levado alguém a votar, fosse em quem fosse, para ter cumprido o  seu papel: Suscitar a acção mais elementar em democracia; A de confiar em quem se elege. Entregar, no presente, o nosso futuro a alguém que o respeite. Que, no caso concreto, tenha sido a alguém como Paulo Rangel, ou Carlos Coelho, é algo que só nos ficou bem. 

 


publicado por João Villalobos às 23:29
link do post | adicionar aos favoritos

De Nuno Albuquerque a 10 de Junho de 2009 às 17:28
Fica-lhe mal essa visão unívoca e iluminada sobre os tempos que vivemos e a forma que cada um escolhe para manifestar a sua opinião.
A abstenção também é legítima. Consciente ou inconsciente. O voto em branco ou nulo idem.
O que para uns é afirmação, para outros é protesto. A forma e o meio que cada um escolhe para o fazer é um espaço de liberdade inatacável por razões "morais". Concorde-se ou não, o que é diferente. É mais ou menos o mesmo que "concordar-se" que alguém vote no PC.
A talhe de foice, o voto obrigatório é uma obscenidade.


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Janeiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
26
27
28
29
30

31


posts recentes

...

Nas legislativas será de ...

O poder do agora

Missão Cumprida III

Missão Cumprida II

Missão Cumprida

Um retrato

Para todos

Ainda há muito trabalho a...

Socialistas grandes derro...

arquivos

Janeiro 2010

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds