Sexta-feira, 15 de Maio de 2009
O fazedor de promessas

Na passada quarta-feira, o Primeiro-ministro português garantiu na Assembleia da República, que Estado iria comprar a maioria do capital da Cosec, a principal companhia de seguros de crédito à exportação a operar em Portugal.

Note-se, trata-se de uma compra e não propriamente de uma nacionalização, haveria uma negociação a decorrer com os actuais accionistas (BPI e Euler Hermes) que estaria, parece-me evidente, sujeita a algum sigilo.

O que fez José Sócrates? Veio garantir que os privados estavam disponíveis para vender, quando não o podia nem devia fazer e até deu um prazo: No verão a coisa estava resolvida.

Fê-lo porquê? Porque tinha essas garantias? Não, a Euler Hermes, que detem 50% da Cosec, já veio hoje mesmo dizer que não está disposta a vender.

Mas então o que motivou esta precipitação do Primeiro-ministro? Como sempre a necessidade de prometer coisas que não pode nem vai cumprir, nomeadamente garantir aos empresários do sector têxtil, vestuário e calçado que estão entre os mais prejudicados com a actuação das seguradoras de crédito, com várias empresas a deixar de realizar vendas para o exterior por não conseguirem este tipo de seguro, que permite vender a crédito com segurança, cobrindo riscos de falência do cliente, atrasos de pagamento e até riscos de natureza política.

 

Lembro-me bem ao nome que se dava a este tipo de borradas em tempos idos, mas creio que “trapalhadas” não é bem o termo mais apropriado.


Também aqui


publicado por Afonso Azevedo Neves às 10:47
link do post | comentar | adicionar aos favoritos


mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Janeiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
26
27
28
29
30

31


posts recentes

O fazedor de promessas

arquivos

Janeiro 2010

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

todas as tags

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds